Número total de visualizações de página

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Adicione título

(continuação...)

Está calor... para qualquer outra pessoa o dia estaria maravilhoso!
Para Teresa também estava óptimo... podia usar óculos que ninguém estranharia... de mãos nos bolsos deixou a chave do mercedes Benz em cima do capo e seguiu pela berma da estrada sentindo a cara a ficar cada vez mais molhada... os óculos impediam as lágrimas de cairem suavemente pelo rosto!
Teresa seguia, olhando cada uma das centenas de pessoas indiferentes que seguiam as suas vidas num só sentido, o contrário do seu!
Respirou fundo e parou em frente de uma montra com espelhos. Olhou-se... reparou em si... tinha curvas bem delineadas... um cabelo suave e comprido que assentava sobre o peito robusto... cara de boneca!
"Um cavalão, um avião, boa "comó caralho", grossa, uma boa foda"... era tudo isso... tantas vezes lho chamavam por noite...
Sentiu nojo de si própria e largou os espelhos, seguiu caminho...
As lágrimas pararam... agora sentia frio... as mãos estavam geladas.. os olhos doiam de tão secos!
Foi até um café... Sentou-se na esplanada de olhar perdido... pediu uma vodka... bebeu tudo de uma só vez... pagou com uma nota de 50€..
Seguiu a berma... passou pelo multibanco deixou o cartão e um papel com o código... e seguiu.. sempre pela berma... sem chorar... sem pensar... sem vontade de ser ou estar.... seguiu e seguiu... parou num banco de jardim com vista para o mar que a viu crescer...

(A primeira vez.... ela era a fresca, bonita e perfeita novidade!
Porquê?
Queria dinheiro... ofereceram-lhe uma vida melhor com uma mesada boa só por dar sexo... e ela adorava sexo... foi tão bom ao início! Tinha tudo o que queria! Como queria, quando queria... para quê continuar com os mesmo amigos medíocres quando se podia ter tudo... festas, bons carros, drogas e sexo... muito sexo... todos os dias... com um homem, dois, três.. com mulheres que sempre foram tão meigas com ela! Era perfeito...

A última... ela deixou de ser novidade há algum tempo!
Porquê?
O dinheiro compra tudo, é verdade, e o dinheiro prefere sempre as novidades, mas tendências mudam, as vontades mudam com elas e a novidade é efêmera!
O pior é que mesmo a novidade que deixa de ser novidade gosta de dinheiro e vicia-se nele... quando falha o vicio ou quando o vicio é a única coisa que nos resta o que acontece?)

Teresa levanta-se do banco e caminha seguindo sempre em frente...
Sente o vento e cortar-lhe a cara... o corpo dói e sente algumas partes do seu corpo perfeito partirem.. dói e dói e dói tanto libertar-se! Sorri... embate na água.... perde os sentidos... a força da água acaba com Teresa contra uma rocha...

O mar que viu Teresa morrer...

E era uma vez... depois... deixou de ser!


Andreia Mateus

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Adicione Título

Era uma vez.... depois passaram a ser duas e três... Quatro cinco trinta cem... Depois deixou de ser...

Esta história nunca foi lida em voz alta... talvez as palavras não fizessem sentido com som... há palavras que só fazem sentido no mesmo silêncio em que nasceram...

Teresa... é o seu nome... tem 23 anos e é prostituta, puta, kenga, vadia ou o que quiserem chamar-lhe! Gostava de sexo mas deixou de gostar porque passou a ser trabalho... e há dias em que não lhe apetece ir trabalhar, como a qualquer pessoa com qualquer outro emprego!
Ontem teve 10 clientes, conseguiu facturar a módica quantia de 3175 euros... não está mal! A vagina dói-lhe as pernas estão moídas... já tomou banho 12 vezes, uma por cada homem que respirou por cima da sua pele, uma por cada pénis que lhe perfurou várias partes do seu corpo, uma por cada olhar desconhecido que a percorreu, uma por cada sujeito que a usou como objecto.. e mais uma para lavar-se dos arrependimentos e culpas, para voltar a ter o corpo como seu e mais uma para tentar lavar os pensamentos de todos os nomes que lhe chamaram na noite anterior!

Saiu do banho... nua.... deixou o óleo que colocara sobre a pele secar por si... deitou-se no sofá e sorriu.. sorriu muito... riu... soltou gargalhadas cada vez mais fortes... os seus olhos choravam de tanto rir... de repente parou... mas continuou a chorar... com toda a força... depois parou... levantou-se e foi até ao quarto... olhou-se ao espelho, ainda nua, limpou as lágrimas, respirou fundo e abriu o armário! Escolheu roupa casual, jeans, t-shirt, ténis... e saiu...

(continua ...)


quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Adicione título

Sabes que mais mundo... hoje apetecia-me escrever, mas não tinha qualquer voz dentro de mim a ditar-me um texto.. então resolvi escrever ao acaso, e foi assim:

Ola Acaso,
Espero que esteja tudo bem contigo, eu hoje estou assim meio melancólica por tua causa! E sinto vontade de estar mais feliz sei lá, tu, acaso, não tens por aí uma formula para a felicidade?

Bjinhos para o acaso*
Andreia.

Ao que o acaso respondeu:

Ola querida Andreia,
Eu não sou o acaso, o acaso desapareceu hoje, disseram-me que não havia causa para isso mas não se desaparece assim... segundo o acaso este mundo usava-o demasiado e pelo acaso muita gente enganava, mentia e até se apaixonava, e caía... e enfim.. acho que o acaso se cansou de ser usado e fugiu!
Aliás se encontrares diz-lhe para me dizer alguma coisa que estou a ficar preocupada! E quanto à fórmula da tua felicidade, não tenho, desculpa!

Bjinho para a Andreia*
Coincidência

Ao que respondi:

Ola Coincidência,
O acaso está aqui comigo e diz que tu não existes! Diz que nunca conheceu nehuma coincidência! Aliás, segundo o acaso, foste tu que tentas-te tomar o lugar dele! Isso não é bonito pois não é pelo acaso que as coisas acontecem e se a coincidência não existe tu só podes ser a maldade! Manda-me a formula da felicidade ou desaparece daí!!!!!

Andreia.

Ao que responderam:

Ola Andreia e acaso!

Pois nada acontece por causa do acaso e realmente a coincidência não existe... mas eu não sou a maldade! Sou bem pior do que isso! Porque sei a minha formula da felicidade, tenho a maldade comigo, nunca te vou dizer a verdade, sempre que tiver contigo vou rir ao acaso, vou tentar fazer-te acreditar até na mais incrivel coincidência, enganar-te com simpatia e nunca te vou ajudar a encontrares a fórmula da felicidade... Agora tentem adivinhar quem sou...